A energia eólica é a terceira fonte mais representativa na matriz Brasileira, com uma potência instalada de 15,72GW, cerca de 12,57% (ANEEL) de toda potência do país. Nos últimos anos o crescimento dessa fonte energética vem se adaptando as diferentes características do vento e regiões do país. Os equipamentos estão mais eficientes e com torres cada vez mais altas, tudo isso para somar uma eficiência e melhor aproveitamento energético. No Brasil, os melhores ventos estão na região nordeste e sul, com características bem diferentes com a predominância dos ventos e sua direção, sendo no nordeste a maior geração durante a noite e no sul durante a tarde. Porém, encontramos ventos de velocidade aproveitável em todo o litoral e algumas regiões do interior de Minas Gerais.

 

Já existe no mercado aerogerador de eixo vertical e horizontal, que são utilizados em residências e comércio, são torres que variam de 10 a 20m de altura e potência entre 1,0kW e 50kW. A estrutura dos aerogeradores se assemelham com os de grande porte, porém com componentes compactos e simplificados. A estrutura de geração é composta por pás que podem ser de fibra ou outro material leve e resistente, eixo, gerador, torre e a base de apoio. Na parte elétrica, ficam os componentes de proteção como disjuntores e os DPS, além dos controladores de velocidade, estabilização e inversores de frequência para geradores corrente contínua (CC).

 

Para avaliar a viabilidade de geração com aerogeradores, primeiramente deve ser verificada a velocidade do vento no local e a altura em que a medição foi realizada. Após isso, deve escolher o melhor modelo de aerogerador conforme sua velocidade nominal e potência. Os fornecedores brasileiros, possuem equipamentos que variam de 500W à 300kW, podendo ser off-grid ou on-grid, conforme a necessidade do cliente, portanto deve-se observar a tabela e gráfico de rendimento. Abaixo está um exemplo de um aerogerador de 5kW.

Para o exemplo acima, com uma velocidade média anual de 6,0m/s, teríamos uma geração aproximada de:

1,65kW x 24h dia x 30 dias = 1.188kWh/mês

Em uma fatura residencial de R$0,97/kWh o cliente consegue uma redução de R$1.152 por mês e um payback aproximado de 5 a 6 anos, podendo variar conforme as características do local e perfil de consumo, além das soluções de conexão e baterias. Observa-se que o retorno do investimento ainda é superior das demais fontes revoáveis (solar), esse fato está relacionado com baixo número de fabricantes que produzem esquipamentos de pequeno porte. A fonte eólica tem se destacado em projetos de médio e grande porte, tento uma atratividade relevante sobre a geração, operação e manutenção, e vem sendo feito um esforço para viabilidade de projetos eólicos offshor (instalação no mar) no litoral brasileiro.

Aerogeradores de pequeno porte são uma ótima alternativa para locais de pequeno espaço útil e ecasses de outras fontes naturais, podendo suprir parte ou 100% da demanda do local!

Categories:

Tags:

No responses yet

Deixe um comentário